COVID-19 e a Medicina Interna portuguesa: todos não somos demais
15/04/2020 16:05:35
Colégio da Especialidade de Medicina Interna da Ordem dos Médicos
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
COVID-19 e a Medicina Interna portuguesa: todos não somos demais

 A COVID-19 é uma doença nova. Subitamente, um novo coronavírus – SARS-CoV-2 – provocou uma pandemia que obrigou a reorganizar hospitais, a esquecer a tradicional divisão em serviços de especialidades, a mobilizar todos os recursos materiais e humanos. Agora temos de ser um por todos e todos por um, todos médicos com a missão de tratar estes doentes. A pandemia veio reforçar o conceito de que não há doenças exclusivas duma determinada especialidade, há doentes que precisam de múltiplos saberes coordenados. Todos não somos demais.

 

Assistimos à saturação e mesmo à rotura de serviços de saúde pelo mundo todo, vimos médicos das mais diversas especialidades a tentar realizar tarefas para que não tinham a preparação e o treino necessários. O nosso Serviço Nacional de Saúde (SNS), com alguns recursos já no limite, mostrou até agora capacidade de resposta e organização suficientes. O pessoal de saúde tem revelado a sua excelente qualidade e uma disponibilidade total. A Medicina Interna portuguesa, fiel aos seus princípios, como especialidade autónoma, abrangente e integradora, sempre assumiu a responsabilidade pelos doentes, quaisquer que sejam as doenças de que sofrem. Com uma formação ampla e uma disponibilidade sem limites, assume as tarefas que forem necessárias em nome do interesse dos doentes. Assim, é com naturalidade que vemos a nossa Medicina Interna ser parte essencial da luta contra a COVID-19.

Leia a carta assinada pelo Colégio da Especialidade de Medicina Interna da Ordem dos Médicos na íntegra no site da News Farma dedicado em exclusivo à COVID-19 e destinado a profissionais de saúde: https://covid19.newsfarma.pt/


Pesquisa