18/03/2013 19:52:22
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Especialistas pretendem criar instrumentos políticos europeus para melhorar a gestão da dor

O Simpósio sobre o Impacto Social da Dor (SIP) vai decorrer este ano no Parlamento Europeu, em Bruxelas, entre os dias 14 e 15 de maio. A iniciativa, que conta com especialistas portugueses, reúne participantes de toda a Europa.

O Simpósio tem como objetivos aumentar a consciencialização para a dor crónica, promover a partilha das melhores práticas nacionais de projetos nesta área e promover a implementação de estratégias políticas e atividades para melhorar a gestão da dor, na Europa.

O Comité de organização do SIP decidiu, este ano, concentrar o debate em torno de dois tópicos prioritários: a criação de um conjunto de indicadores de qualidade que possibilitem avaliar e monitorizar a gestão da dor crónica e a criação de uma proposta de ação que vise a reintegração dos doentes com dor crónica no seu ambiente de trabalho.

"Em tempos de austeridade e crise económica, o emprego e a produtividade da população ativa é um tema central discutido ao nível nacional e europeu", explica Marian Harkin, membro irlandês do Parlamento Europeu, que irá presidir o grupo de trabalho sobre este tema prioritário. "Precisamos discutir a importância de medidas preventivas e programas de reabilitação como parte de um esforço para garantir que a nossa população ativa é capaz de voltar a entrar na força de trabalho, mesmo que tenha sido afetada pela dor crónica.", acrescenta Marian Harkin.

Segundo o Prof. Hans G. Kress, presidente da EFIC: "É importante tornar a dor crónica visível como uma doença médica, económica e social. A dor crónica tem uma grande influência sobre a vida quotidiana de uma pessoa, a sua vida profissional e familiar. Nós queremos ter a certeza de que os políticos e os decisores políticos na Europa e nos Estados Membros estão cientes do impacto social da dor crónica. Por isso, com esta iniciativa pretendemos obter sugestões concretas sobre como podemos mudar efetivamente o controlo da dor, e assim, melhorar a qualidade de vida dos nossos pacientes".

A dor crónica é uma situação de dor persistente. Se a dor não for adequadamente tratada, a qualidade de vida das pessoas poderá ser gravemente afetada, podendo conduzir à incapacidade para o trabalho. Em Portugal a dor crónica afeta mais de 30 por cento dos adultos portugueses.

O programa do Simpósio sobre o Impacto Social da Dor pode ser consultado AQUI.

Para mais informações consulte: www.sip-platform.eu

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019