Cardiologista português convidado para coordenar iniciativa internacional
06/07/2017 15:28:27
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cardiologista português convidado para coordenar iniciativa internacional

O Dr. Hélder Pereira, diretor do Serviço de Cardiologia do Hospital Garcia de Orta, em Almada, é o novo coordenador da Stent Save a Life (SSL) na Europa e na Rússia. A iniciativa, que visa reduzir a mortalidade por enfarte agudo do miocárdio tornou-se global no passado mês de maio, com a integração de países da América Latina, África e Ásia.

O novo coordenador da iniciativa refere que, se por um lado, a globalização espelha o sucesso do SSL, também significa um grande desafio. “O projeto congrega, agora, realidades muito diferentes: desde países em que a maioria dos doentes não é reperfundido, a outros em que ainda só se usa a estreptoquinase, ou em que a taxa de revascularização por Angioplastia Primária (P-ICP) é superior a 90%”, disse o cardiologista. E acrescentou: “não temos dúvidas de que a experiência de países que já se encontram numa fase mais avançada deste processo, como é o caso de Portugal, será de grande utilidade para aqueles que ambicionam melhorar o tratamento do enfarte”.

Portugal integrou este projeto em 2011 com o intuito de melhorar a performance nacional em P-ICP. O antigo presidente da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) explicou que, em meados da década passada, realizavam-se em Portugal pouco mais de uma centena de P-ICP por ano e por milhão de habitantes e apenas 23% dos doentes pedia ajuda através do 112. “Por essa altura erámos um dos países europeus com uma das piores performances em P-ICP. Hoje, já nos aproximamos das quatro centenas por milhão e estamos dentro da média europeia”, sublinhou.

Relativamente ao balanço da SSL no país, o Dr. Hélder Pereira enfatiza que se observou um aumento dos doentes que ligaram para o 112 (de 35,2% em 2011 para 46,6% em 2016), e uma diminuição da percentagem de doentes que se dirigiu para hospitais sem cardiologia de intervenção (54,5% vs 42,4%). “Também se verificou um aumento do transporte pré-hospitalar pelo INEM (13,1% vs 30,5%) e do transporte secundário (0,5% vs 8,1%)”.

Ainda que nem todos os aspetos revelem melhorias, como é o caso dos indicadores “Atraso do Doente” e “Atraso do Sistema”, que não diminuíram depois de ter sido implementado o programa, o novo coordenador da SFL na Europa e na Rússia garante que “Portugal tem sido indicado como um exemplo” na implementação da iniciativa.

A Stent Save a Life começou por ser um projeto europeu lançado pela European Association of Percutaneous Cardiovascular Interventions (EAPCI) da Sociedade Europeia de Cardiologia, tendo-se este ano tornado global. A iniciativa pretende assegurar que os doentes com enfarte agudo do miocárdio com supra ST têm acesso ao tratamento indicado, a angioplastia primária, reduzindo as assimetrias regionais e melhorando o prognóstico destes doentes.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019