Associações alertam para situação de risco nos Cuidados Neonatais
20/11/2019 17:23:35
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Associações alertam para situação de risco nos Cuidados Neonatais

A Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro (XXS), Associação Portuguesa de Enfermagem Pediátrica e Neonatal (APEPEN) e a Sociedade Portuguesa de Neonatologia (SPN) alertam e a apelam a que o tema da saúde materna e neonatal seja, urgentemente, colocado na agenda política nacional sob o olhar atento do Presidente da República e com pena de se correr sérios riscos no que respeita à qualidade de vida dos que nascem mais vulneráveis. São cerca de 8.500 bebés que nascem prematuros todos os anos em Portugal, representando cerca de 9% dos nascimentos.

"É urgente agir!", foi este o mote das 1.ªs Jornadas Nacionais de Prematuridade - Pais e Profissionais juntos pela mesma causa, que decorreu no passado fim-de-semana, em Coimbra.

Na presença de uma representante da Direção-Geral de Saúde, pais, médicos e enfermeiros, os quais alertaram para a situação da deterioração das condições necessárias à prestação dos cuidados a estes bebés que nascem prematuros, como por exemplo: encerramento do número de vagas nas unidades de neonatologia, a redução do número de enfermeiros por turno; aumento da carga horária para médicos e enfermeiros e a dificuldade de retorno dos bebés para o hospital de origem, o mais perto possível da residência dos pais, etc.

Se em Portugal não forem tomadas medidas urgentes nesta área, em poucos anos, perderemos o estatuto de estar entre os melhores da Europa, com tudo o que isto implica para os bebés prematuros, para os seus pais e as suas famílias, tendo enorme impacto ao nível social e económico.

No encontro, foi ainda apresentado o projecto europeu de standarização dos cuidados de saúde ao recém-nascido e dados os primeiros passos para a sua implementação em Portugal, que se prevê começar em 2020.

 

 Prematuridade em Portugal

Em Portugal, nascem por ano cerca de oito mil bebés prematuros e 10% ficam internados, em média, 60 dias em Unidades de Cuidados Intensivos. Oito em cada 100 bebés nascem com menos de 37 semanas de gestação, e 1% dos recém-nascidos tem menos de 1.500 gramas. Os prematuros representam 1/3 da mortalidade infantil no nosso país. As crianças que nascem antes do tempo têm problemas específicos que exigem apoios especializados.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019