Crioestaminal renova acreditação pela Associação Americana de Bancos de Sangue
21/01/2020 14:29:30
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Crioestaminal renova acreditação pela Associação Americana de Bancos de Sangue

Pelo 11.º ano consecutivo, a Associação Americana de Bancos de Sangue (AABB) renovou a acreditação da Crioestaminal para os serviços de criopreservação do sangue e do tecido do cordão umbilical, no passado mês de dezembro.

 

A acreditação, emitida após uma auditoria de uma equipa de três especialistas norte americanos, determina que o nível de desempenho técnico e científico da Crioestaminal corresponde aos padrões estabelecidos pela AABB quanto às fases de receção, processamento, criopreservação, análise e distribuição das células estaminais do sangue e do tecido do cordão umbilical. A avaliação é feita com base em critérios rigorosos, que determinam a qualidade das instalações, procedimentos, formação dos quadros técnicos, segurança e a qualidade de todos os métodos utilizados pelos bancos de sangue a nível mundial.

“Vermos renovada a acreditação da AABB é muito gratificante. O nosso objetivo é manter a excelência e dar aos nossos clientes o melhor serviço possível. Esta acreditação técnica surge poucos dias após recebermos a distinção da Escolha do Consumidor, no fundo são duas faces da mesma moeda, mostrando que quer em termos laboratoriais quer no serviço mais próximo do cliente somos reconhecidos como a empresa de referência do setor", salienta o Dr. André Gomes, fundador e diretor geral da Crioestaminal.

Em 11 bancos de criopreservação de células estaminais europeus acreditados pela AABB, a Crioestaminal é o único laboratório na Europa com acreditação da instituição para os serviços de criopreservação do sangue e do tecido do cordão umbilical.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019