RX para exame de corpo inteiro em baixa dose de radiação chega a Portugal
05/02/2020 16:14:29
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
RX para exame de corpo inteiro em baixa dose de radiação chega a Portugal

O sistema EOS, que acaba de chegar a Portugal e está disponível no Hospital CUF Descobertas, em Lisboa, é um aparelho de imagem inovador que permite fazer estudo do corpo inteiro com imagens 2D e 3D, com o doente em posição vertical. Nesse sentido, é possível obter uma avaliação mais precisa e rigorosa de apoio ao diagnóstico e seguimento do doente.

 

Até agora, eram necessárias várias exposições de radiação (RX) para adquirir imagens de estudos de coluna vertebral ou membros inferiores. Com novo o sistema introduzido, passa a ser possível adquirir imagens biplanares de coluna vertebral, membros inferiores e corpo inteiro através de uma única aquisição, tendo a vantagem de emitir uma baixa dose de radiação, quando comparado com outros equipamentos semelhantes.

A dose de radiação poderá ser reduzida entre 50% a 85%, em comparação com outros equipamentos de RX convencional, e poderá chegar a cerca de 95% menos de radiação em exames específicos, no que toca os sistemas de Tomografia Computorizada (TAC).

“Nos equipamentos de TAC e RX é emitida radiação ionizante - que é cumulativa. Pode, por isso, ao longo do tempo e com a frequência da sua realização, causar danos celulares. Com o EOS, ao reduzirmos a exposição do doente à radiação ionizante, estamos a minorar a probabilidade de desenvolver esses danos. Esta vantagem torna-se particularmente relevante em casos de escoliose, que afeta com maior frequência crianças e adolescentes e requer follow-ups”, explica o Prof. Doutor Jorge Mineiro, coordenador de Ortopedia no Hospital CUF Descobertas.

O Dr. Gonçalo Marques, técnico coordenador do Serviço de Imagiologia do Hospital CUF Descobertas, acrescenta que o equipamento é composto por um sistema informático de pós-processamento avançado, permitindo “a aquisição de imagens biplanares em simultâneo, que para além da baixa dose de radiação, diminui o tempo de exame e permite obter imagens de corpo inteiro com um pós-processamento avançado e diferenciador como são os modelos 3D”.

As principais vantagens do EOS referem-se à possibilidade de “facultar medições precisas em 2D e 3D, calcular os mais diversos ângulos da coluna vertebral e outros parâmetros pélvicos, hoje essenciais para o diagnóstico correto e preciso de muitas patologias da coluna vertebral”, permitindo ainda observar a inclinação da coluna com mais exatidão, segundo o Prof. Doutor Jorge Mineiro. Em torno, o sistema confere um diagnóstico mais preciso e imparcial, fomentando a delineação de um plano terapêutico avançado, acrescenta.

Algumas das patologias mais comuns entre adultos e crianças que podem beneficiar do EOS são a escoliose, patologias posturais, patologias deformativas e degenerativas da coluna, discrepâncias no comprimento da perna e osteoartrite do quadril e joelho.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019