Programa Nacional de Vacinação infantil contra a meningite B mostra redução de 75% dos casos
17/02/2020 15:59:44
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Programa Nacional de Vacinação infantil contra a meningite B mostra redução de 75% dos casos

Um estudo independente sobre meningite B, publicado no New England Journal of Medicine, demonstra o impacto da vacina desenvolvida pela GSK contra a doença na redução da sua incidência em crianças. O estudo, realizado no Reino Unido, divulgou dados relativos ao impacto do primeiro programa de vacinação infantil de âmbito nacional com a vacina, a nível mundial. De acordo com a Public Health England, ao longo de um período de três anos, o número de casos de meningite B diminuiu 75%. Estes resultados contemplam, inclusive, casos de estirpes cuja cobertura não está prevista com a vacina.

 

“O que este importante estudo independente indica é que a vacinação confere efetiva proteção e reduz o número de casos desta doença devastadora. Graças a este programa nacional de imunização do Reino Unido, os pais e profissionais de saúde passam a ter dados de vida real que confirmam que a vacinação faz mesmo a diferença”, afirma o Dr. Thomas Breuer, chief medical officer da Área de Vacinas da GSK.

Em setembro de 2015, as crianças em idade de amamentação no Reino Unido receberam m a vacina contra a meningite B de forma gratuita, aos dois e quatro meses de idade, recebendo uma dose de reforço com aos 12 meses, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação. Os resultados divulgados pela Public Health England revelam uma proteção sustentada, que se prolonga até pelo menos dois anos após a dose de reforço, o que se mostra crucial se considerarmos que a maior incidência desta doença em Inglaterra e em muitos outros países se regista nos primeiros três a cinco anos de vida. Os resultados evidenciaram uma redução de 277 casos desde o início do programa. Ainda assim, em crianças não elegíveis para a vacinação, o estudo indica que não houve redução do número de casos de meningite B.

“A Inglaterra dispõe de um dos mais abrangentes programas de vacinação em todo o mundo. A implementação da vacina contra a meningite B, em 2015, foi um grande sucesso. Está a salvar vidas e isso significa que menos pais e crianças irão sofrer com esta doença devastadora. É vital que as crianças recebam todas as vacinas que as protegem, a elas e aos outros”, sublinha o Prof. Doutor Shamez Ladhani, epidemiologista da Public Health England.

Os especialistas esperam que os dados deste estudo, aliados com a confiança demonstrada pelo país através das elevadas taxas de cobertura (mais de 90% dos lactentes no Reino Unido receberam as duas primeiras doses da vacina), possam vir a encorajar as autoridades de Saúde Pública de outros países.

“Estamos a falar de uma doença com uma elevada mortalidade e efeitos profundos, que duram para o resto da vida. Estes resultados mostram-nos que dispomos atualmente de uma ferramenta que ajuda a preveni-la e é nossa expectativa que outros países reconheçam esta oportunidade para o fazer”, refere a Dr.ª Linda Glennie, diretora de investigação na Meningitis Research Foundation.

A doença meningocócica invasiva do grupo B desenvolve-se rapidamente, mesmo em lactentes, crianças e adolescentes previamente saudáveis. Os sintomas iniciais da patologia podem assemelhar-se aos da gripe, o que dificulta o diagnóstico. Aproximadamente uma em cada 10 pessoas que contrai a doença acaba por falecer, mesmo tendo recebido o tratamento adequado. Até 20% dos indivíduos que sobrevivem à meningite bacteriana podem sofrer de graves incapacidades físicas e neurológicas, como amputações, perda de capacidade auditiva e convulsões.

Neste momento, a vacina da GSK é a única vacina meningocócica B aprovada na Europa para crianças abaixo dos 10 anos de idade. O Programa de Vacinação de lactentes no Reino Unido está especificamente concebido para a proteção contra a meningite B.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019