Eutanásia: Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos apela a serviços de qualidade
18/02/2020 14:34:55
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Eutanásia: Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos apela a serviços de qualidade

Face ao debate sobre a despenalização da prática da eutanásia, a acontecer no próximo dia 20 de fevereiro, na Assembleia da República, a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) apela a serviços de qualidade, “um direito reconhecido pelas mais diversas instituições internacionais, mas surpreendentemente um ‘luxo’ ao alcance de poucos em Portugal”.

 

Felicitando os responsáveis políticos pela crescente preocupação perante o sofrimento dos portugueses e das suas famílias, a APCP sublinha que os projetos de lei sobre a despenalização da eutanásia “parecem esquecer os milhares de portuguesas e portugueses que nos solicitam viver de forma digna com o maior apoio possível para diminuir tal sofrimento”.

Ainda assim, a entidade realça a falta de investimento em recursos humanos e novos serviços, algo que não acontece noutros países europeus, com condições técnicas, científicas e humanas que a APCP observa “com satisfação”.

Nesse sentido, a APCP apela ao “apoio à formação dos profissionais, ao incentivo à criação de equipas comunitárias, ao reconhecimento e certificação dos profissionais de saúde, à particular atenção aos mais excluídos (4.ª idade, Pediatria, demência ou saúde mental) e ao apoio ao cuidador informal”, pode ler-se no documento.

Contudo, a instituição alia-se aos decisores políticos na cooperação pelo desenvolvimento dos Cuidados Paliativos, esperando “o mesmo compromisso dos proponentes destes projetos de lei em cumprir inteiramente a Lei de Bases para os Cuidados Paliativos”, já que o exemplo deve surgir “por parte de quem lidera”, conclui.

 


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019