IPO Lisboa identifica novos genes de cancro familiar
02/03/2020 16:10:07
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
IPO Lisboa identifica novos genes de cancro familiar

Investigadores do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa Francisco Gentil identificaram novas alterações genéticas em alguns tipos de cancro familiar. Resultado do trabalho desenvolvido pelo projeto “Risco de Cancro Familiar e Individual – Identificação de Novos Genes” entre 2013 e 2019, os dados serão revelados no dia 6 de março, no anfiteatro do IPO.

 

Os dados revelados no evento poderão vir a ter implicações na prevenção, no diagnóstico genético, na vigilância e no tratamento do cancro hereditário, destinando-se especialmente a investigadores, médicos e outros profissionais ligados à área da Oncologia.

“A identificação de novas alterações genéticas envolvidas na predisposição para o cancro em famílias com elevada prevalência de tumores e a caracterização das alterações moleculares dos tumores têm uma crescente utilidade na clínica”, esclarece a Dr.ª Branca Limón Cavaco, coordenadora da Unidade de Investigação e Patobiologia Molecular (UIPM) IPO Lisboa.

“Neste estudo de suscetibilidade familiar e individual procuramos identificar novos genes e mutações responsáveis por formas de cancro com evidente agregação familiar, mas sem alteração genética subjacente reconhecida. No grupo de tumores estudados – cólon e reto, tiróide, próstata, ovário, melanoma e tumores hematológicos – caracterizámos aspetos clínicos, moleculares e celulares subjacentes à doença oncológica que representam um avanço no conhecimento da Patobiologia e que poderão vir a ter impacto no diagnóstico genético e nos protocolos de vigilância clínica e de prevenção do cancro nas famílias, mas também na decisão terapêutica”, acrescenta a investigadora e líder do projeto.

O estudo foi possível devido à utilização da tecnologia de sequenciação mais avançada disponível no IPO Lisboa, contando com o apoio de vários grupos de investigação do IPO Lisboa. O projeto foi cofinanciado pelo próprio IPO, pela Núcleo Regional do Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) e pela Televisão Independente (TVI).

A UIPM tem uma equipa de cerca de 30 investigadores, entre os quais biólogos, bioquímicos, médicos e outros técnicos de saúde, que se dedicam à investigação básica e de translação em Oncobiologia, diagnóstico molecular de cancro hereditário e caracterização de marcadores tumorais e que trabalham em estreita articulação com a clínica.

Consulte aqui o programa.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019