Takeda inicia desenvolvimento de terapia derivada de plasma para covid-19
09/03/2020 15:49:33
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Takeda inicia desenvolvimento de terapia derivada de plasma para covid-19

A Takeda iniciou o desenvolvimento de uma globulina hiperimune policlonal anti-SARS-CoV-2 (H-IG) para tratar pessoas de alto risco com covid-19, enquanto está a estudar se os medicamentos que atualmente comercializa podem ser eficazes para doentes infetados.

 

As globulinas hiperimunes são terapêuticas derivadas de plasma que já demonstraram ser eficazes no tratamento de infeções respiratórias virais agudas graves e podem ser uma opção de terapêutica para o covid-19.

“Como companhia dedicada à saúde e ao bem-estar das pessoas em todo o mundo, faremos o possível para enfrentar a nova ameaça de coronavírus”, refere a Dr.ª Inês Nobre Guedes, medical & regulatory country head da Takeda.

A responsável acrescenta: “Identificámos ativos e capacidades relevantes em toda a empresa e esperamos poder expandir as opções de tratamento para doentes com covid-19 e para os profissionais de saúde que cuidam deles”.

“As terapias derivadas do plasma são medicamentos essenciais, que salvam vidas, dos quais milhares de pessoas com doenças raras e complexas dependem todos os dias em todo o mundo”, esclarece Pedro Sá, head Hematology da Takeda, unidade de negócios de terapias derivadas de plasma.

“A nossa herança, combinada com a nossa escala, experiência e capacidades, posiciona a Takeda numa posição única para desenvolver todo o potencial de terapias derivadas de plasma, como o TAK888”, realça o responsável.

A Takeda encontra-se em conversações com diversas agências reguladoras e de saúde nacionais, bem como parceiros de assistência médica nos Estados Unidos da América (EUA), Ásia e Europa para avançar rapidamente a pesquisa do TAK-888.

O processo requer acesso à fonte de plasma de pessoas que recuperaram com sucesso do covid-19 ou que foram vacinadas, assim que haja vacina. Esses dadores convalescentes desenvolveram anticorpos para o vírus que podem potencialmente mitigar a gravidade do vírus em doentes com covid-19, permitindo a sua prevenção.

O H-IG funciona através da concentração de anticorpos específicos para patógenos do plasma recolhido de doentes recuperados ou dadores vacinados. Ao transferir os anticorpos para um novo doente, pode ajudar o sistema imunológico dessa pessoa a responder à infeção e aumentar a sua probabilidade de recuperação. Como é improvável que o plasma necessário para o TAK-888 venha dos dadores atuais de plasma, a Takeda vai produzir a terapêutica numa área separada e isolada dentro das suas instalações de fabrico na Geórgia, e o seu desenvolvimento e produção não terão impacto negativo na capacidade da entidade de produzir as suas outras terapêuticas derivadas de plasma.

A Takeda está também a explorar se os medicamentos e as moléculas que comercializa podem ser candidatos viáveis ao tratamento do covid-19. Estes esforços estão numa fase inicial, mas têm prioridade na empresa neste momento.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto de covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para “muito elevado”.

Detetado em dezembro na China, o surto de covid-19 pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocando mais de três mil mortos e infetando mais de 109 mil pessoas numa centena de países e regiões, 31 das quais em Portugal. De notar que das pessoas infetadas, cerca de 60 mil já recuperaram. Até ao momento, não existem vacinas ou terapias aprovadas para prevenir ou tratar o covid-19.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019