SABM apela à gestão de sangue do doente durante a pandemia de covid-19
18/03/2020 15:50:46
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
SABM apela à gestão de sangue do doente durante a pandemia de covid-19

A Society for the Advancement of Blood Management (SABM) realçou a importância da gestão de sangue do doente em tempos de pandemia, onde as doações e o fornecimento de sangue se tornam mais escassos. No documento emitido, a entidade salientou ainda que “os princípios de gestão de sangue do doente são aplicáveis e necessários na prática quotidiana, e talvez ainda mais durante este período difícil”.

 

“É do conhecimento geral que estamos na iminência de uma grave escassez de sangue causada pela pandemia do covid-19. Situações epidémicas anteriores como, por exemplo, o H1N1, tiveram um impacto negativo significativo nas reservas de sangue, uma vez que os dadores, que temem uma possível exposição ao vírus, evitam os pontos de recolha e os hospitais”, esclarece o organismo.

A entidade adianta que, face à pandemia de covid-19, o fornecimento de sangue está a diminuir, à medida que os dadores se afastam e o sangue doado expira. Nesse sentido, e para preservar o declínio progressivo do fornecimento de sangue, os Estados Unidos da América e outros governos, bem como a Organização Mundial da Saúde (OMS), mostram o seu parecer favorável à gestão de sangue do doente (Patient Blood Management).

“Neste momento, em que enfrentamos uma crise global sem precedentes, todos os esforços devem ser implementados”, sublinha a SABM.

A sociedade considera também que devem ser implementadas algumas estratégias-chave de gestão de sangue dos doentes para que parte da atividade clínica necessária possa continuar, em detrimento de privar os doentes dos procedimentos cirúrgicos necessários como forma de combater as poucas reservas de sangue disponíveis.

Nesse sentido, a SABM apela à educação dos doentes, que fazem parte de um esforço global, o apoio dos doentes no pós-operatório com recurso a terapêuticas que promovam a produção de sangue e a monitorização do estado dos doentes após a cirurgia, intervindo rapidamente em caso de sangramento inesperado.

Além disso, os profissionais de saúde devem ainda usar todos os métodos conhecidos e eficazes de conservação de sangue durante e após um procedimento, incluindo a eliminação de exames de sangue excessivos, bem como identificar e resolver problemas de coagulação antes da cirurgia e tratar a anemia.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019