Paludismo pode voltar nas pandemias e ter impacto devastador, alerta OMS
22/04/2020 16:55:10
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Paludismo pode voltar nas pandemias e ter impacto devastador, alerta OMS

A Organização Mundial da Saúde para África alertou esta quarta-feira, dia 22 de abril, para a capacidade que o paludismo tem de reaparecer em tempos de crise, como é o caso da pandemia de COVID-19, apelando a um esforço contra a doença que mata anualmente 400 mil pessoas.

 

A propósito do Dia Mundial de Luta contra o Paludismo, que se assinala no próximo dia 25 de abril, a Dr.ª Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para a África, referiu que esta é uma boa oportunidade de “chamar a atenção para o impacto devastador que esta doença tem nas famílias, nas comunidades e na sociedade”.

“Numa altura em que o mundo trava uma guerra contra a COVID-19, este evento permitirá também destacar a importância de manter sistemas de saúde resilientes e de continuar a fornecer serviços de saúde essenciais aos utentes, mesmo em tempo de crise”, lê-se na mensagem.

A responsável recordou que esta é uma doença que mata anualmente 400 mil pessoas em todo o mundo, das quais 94% na região africana: “As crianças com menos de cinco anos constituem o grupo mais vulnerável, uma vez que representam 67% dos óbitos. Esta situação continua alarmante e desigual”, sublinhou.

A diretora regional da OMS para a África reconheceu que “os países africanos desenvolveram grandes esforços para controlar a doença”, dando o exemplo da Argélia, certificada como livre do paludismo em 2019. No entanto, lamentou, “a região africana da OMS ainda registou 213 milhões de casos em 2018, representando 93% dos casos recenseados no mundo inteiro.

Para este ano, o tema escolhido para assinalar o Dia Mundial de Luta contra o Paludismo – “Zero paludismo. Começa comigo” – faz referência a uma campanha no terreno lançada pela primeira vez no Senegal, em 2014. A campanha “pretende mobilizar todos os intervenientes envolvidos na luta contra o paludismo, desde os decisores políticos até ao setor privado e às comunidades afetadas”.

A Dr.ª Matshidiso Moeti recordou ainda que, no âmbito dos objetivos de desenvolvimento sustentável, os países comprometeram-se a erradicar a epidemia de paludismo até 2030.

A iniciativa E-2020 para a eliminação do paludismo foi lançada em 2017 (África do Sul, Botsuana, Cabo Verde, Comores e Essuatíni) e, para travar o aumento do número de casos, sobretudo na África subsariana, a abordagem “Ação de elevado impacto nos países com elevadas cargas” foi lançada em 2018 (Burkina Faso, Camarões, Gana, Mali, Moçambique, Níger, Nigéria, República Democrática do Congo, Tanzânia e Uganda).

Há um ano, os ensaios piloto da primeira vacina contra o paludismo no mundo (RTS’S) foram realizados no Gana, no Quénia e no Maláui. Até à data, 275 mil crianças receberam a vacina, prosseguiu.

“Esta ação é louvável, mas estamos longe do objetivo estabelecido para 2020, isto é, reduzir em 40% o número de casos e de óbitos associados ao paludismo. Vamos precisar de redobrar esforços para alcançar uma redução de 75% até 2025”, frisou.

Nesse sentido, a diretora-geral apelou a “um maior compromisso político, investimentos acelerados e mais inovação na prevenção e no controlo do paludismo”, considerando-os “urgentemente necessários”.

“Juntos, devemos reconhecer que enquanto o paludismo não for erradicado, a doença irá ameaçar as populações mais pobres e mais vulneráveis, e tem o potencial de reaparecer em tempos de crise, como a pandemia de COVID-19 que enfrentamos atualmente”, concluiu.

Fonte: Lusa


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019