AbbVie conclui aquisição da Allergan
12/05/2020 15:23:49
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
AbbVie conclui aquisição da Allergan

A AbbVie, companhia biofarmacêutica com foco em investigação e desenvolvimento, anunciou ter concluído o processo de aquisição da farmacêutica Allergan. Esta integração vai permitir à empresa expandir o seu portefólio de produtos em diversas áreas terapêuticas, bem como continuar a investir na investigação e desenvolvimento de medicamentos.

 

A integração da Allergan culmina num portefólio combinado com cerca de 30 produtos nas mais variadas áreas terapêuticas, que “vai permitir à AbbVie reforçar a sua posição de liderança na Imunologia e Hemato-Oncologia, explorar novas oportunidades nas Neurociências e entrar no negócio global da Medicina Estética”.

“A nova AbbVie será um líder diversificado em importantes áreas terapêuticas, com produtos no mercado e em pipeline, e a nossa robustez financeira irá permitir-nos continuar a investir na ciência e inovação, respondendo às necessidades médicas não satisfeitas dos doentes que dependem de nós”, adianta o Dr. Richard A. Gonzalez, CEO da AbbVie.

Já o Dr. Antonio Della Croce, diretor-geral da AbbVie em Portugal, refere que “este é um momento de grande transformação para a AbbVie, que além de um importante passado, tem agora um futuro brilhante pela frente”.

O responsável continua: “A integração da Allergan coloca a AbbVie entre as empresas líderes mundiais no setor farmacêutico. Com a fusão da experiência e das capacidades das duas organizações, seremos capazes de continuar a desenvolver soluções terapêuticas inovadores e disruptivas numa ampla gama de áreas terapêuticas e poderemos causar um impacto notável na vida de um número cada vez maior de pessoas”, conclui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019