COVID-19: o vírus, a doença e o regresso à sociedade
13/05/2020 14:35:59
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
COVID-19: o vírus, a doença e o regresso à sociedade

Discutir as aprendizagens até ao momento e assinalar as medidas essenciais para um desconfinamento seguro foi o grande objetivo do webinar "COVID-19: o vírus, a doença e o regresso à sociedade". Durante o debate, estiveram “em cima da mesa” assuntos como o desconfinamento e as suas repercussões, as medidas para minimizar a disseminação do vírus e o impacto da pandemia nos profissionais de saúde. Promovido pela Daiichi Sankyo Portugal, o encontro decorreu virtualmente no dia 7 de maio, com a assinatura da News Farma na organização.

 

Com moderação do Prof. Doutor António Araújo, diretor do Serviço de Oncologia Médica do Centro Hospitalar e Universitário do Porto e presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos (CRNOM), este webinar contou com a participação do Dr. Ricardo Mexia, médico de saúde pública e presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP), do Prof. Doutor Pedro Simas, virologista e investigador principal do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa (iMM-UL), e do Dr. Nélson Pereira, médico internista e responsável pela equipa da COVID-19 da Urgência do Centro Hospitalar e Universitário de S. João (CHUSJ).

O Dr. Nélson Pereira começou por abordar os fatores individuais que podem influenciar a gravidade e mortalidade da COVID-19, assim como as medidas de reorganização de serviços e proteção para a prevenção da infeção hospitalar. O internista disse que “estamos numa fase de transição, no fim de uma etapa, num momento de viragem” e salientou que se trata de “uma oportunidade única do ponto de vista médico”, com enormes desafios. Focou aspetos mais ligados ao Hospital de São João, como seja o de ser “o hospital satélite do ponto de vista da forma como a doença se apresentou junto dos profissionais de saúde”, bem como as estratégias que tiveram de ser implementadas, no sentido de “ganhar mais espaço, diminuir a interação física entre doentes e profissionais e proteger os profissionais”. O internista também referiu que “o hospital gere cerca de 2 mil casos, dos quais 400 já estão recuperados. Já tivemos cerca de 500 doentes internados”.

Aceda ao texto completo na página da News Farma dedicada em exclusivo à COVID-19, aqui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019