Dia Mundial da Hipertensão Arterial: doença é mais comum nas pessoas com diabetes
15/05/2020 17:19:22
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Dia Mundial da Hipertensão Arterial: doença é mais comum nas pessoas com diabetes

No âmbito do Dia Mundial da Hipertensão Arterial, assinalado no passado dia 17 de maio, a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) alerta para a importância do papel do doente na prevenção de complicações associadas à diabetes e à hipertensão, uma doença que é duas vezes mais comum nas pessoas com diabetes.

 

“A hipertensão arterial na diabetes tem características específicas, com maior prevalência de hipertensão noturna, o que confere um risco acrescido de eventos cardiovasculares. É fundamental estarmos atentos à variabilidade tensional do indivíduo com diabetes, assim como ao perfil glicémico do doente com hipertensão arterial”, começa por dizer o Dr. Pedro Matos, cardiologista da APDP.

O profissional de saúde adianta que “é essencial otimizar o controlo dos níveis tensionais, através de medições regulares em ambulatório, razão pela qual o processo de educação terapêutica junto do doente, feita pelos profissionais de saúde que o seguem, é ponto-chave para se atingirem objetivos de controlo”, já que “cada caso é um caso”, sustenta.

A diabetes é uma das principais causas para a progressão da doença renal, à semelhança da hipertensão arterial. Estas doenças, quando combinadas, apresentam um risco acrescido para a insuficiência renal terminal. A própria insuficiência renal é, também ela, um poderoso fator de risco para eventos cardiovasculares.

“Temos de explicar adequadamente às pessoas com diabetes de que forma pode ser feita uma prevenção mais eficaz. Os valores de pressão arterial desejáveis nesta população são inferiores aos da população em geral, pelo que são exigíveis formas de intervenção estruturadas e múltiplas, quer na modificação do estilo de vida, quer no recurso a combinação de vários fármacos para conseguir algum grau de eficácia”, acrescenta o cardiologista.

Além disso, “o próprio doente tem de estar sensibilizado e educado para adotar estas medidas, fazer o seu autocontrolo regular e interagir com os profissionais de saúde, para ajuste terapêutico”, reforça o Dr. Pedro Matos.

Em todo este processo o cardiologista destaca ainda dois agentes cuja ação se complementa: “A pessoa com diabetes, devidamente instruída para um autocontrolo da sua diabetes e tensão arterial, e o profissional de saúde, capaz de definir o nível de risco, a seleção de fármacos para cada um e o ajuste terapêutico consoante os resultados” .

Na situação atual de pandemia, as pessoas com doenças crónicas, como a diabetes e a hipertensão, são dos grupos mais vulneráveis ao desenvolvimento de complicações graves com a infeção pelo novo coronavírus.

Nesse sentido, o Dr. José Manuel Boavida, presidente da APDP, defende que “deve ser definida uma estratégia que assegure a segurança destes grupos de risco em relação ao trabalho presencial. Essa estratégia, que depende do controlo metabólico individual, das comorbilidades e do próprio contexto laboral, deve ser da responsabilidade do médico assistente, o mais habilitado pelo seu contacto regular com a pessoa com diabetes, para decidir, com base nas premissas anteriores, o potencial de um eventual contágio”, conclui.

Em caso de dúvidas ou necessidade de acompanhamento, a APDP disponibiliza ainda a Linha de Apoio Diabetes (21 381 61 61), das 8h00 às 20h00, incluindo fins de semana.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019