O que muda na formação em Gastrenterologia durante e depois da pandemia? Hoje, a SPG responde
27/05/2020 10:02:10
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
O que muda na formação em Gastrenterologia durante e depois da pandemia? Hoje, a SPG responde

“Formação específica em Gastrenterologia: o que vai mudar durante e depois da pandemia?”. É este o mote do webinar promovido pela Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG), a decorrer já hoje, dia 27 de maio, às 21h00. A conversa virtual colocará no centro da questão não só o impacto da situação atual de pandemia em todos os Serviços de Gastrenterologia do país, mas também no programa formativo dos internos da área. Não perca a emissão, aqui.

 

A profundidade das alterações em ambiente hospitalar resultantes da crise de Saúde Pública da COVID-19 envolveu a reconfiguração física de estruturas, bem como a adoção de novos paradigmas assistenciais na endoscopia digestiva, consulta externa, internamento e urgência. O impacto na formação específica em Gastrenterologia é também especialmente visível.

webinar contará com a presença dos Drs. Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, Ricardo Gorjão, presidente do Colégio da Especialidade de Gastrenterologia da Ordem dos Médicos e Pedro Moreira, interno de formação específica do 5.º ano de Gastrenterologia, que se farão acompanhar dos Profs. Doutores Rui Tato Marinho, diretor do Serviço de Gastrenterologia e Hepatologia do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) e presidente da SPG e Guilherme Macedo, diretor do Serviço de Gastrenterologia do Centro Hospitalar Universitário de S. João (CHUSJ) e vice-presidente da SPG.

Não perca a emissão, que conta com o apoio da News Farma enquanto media partner, hoje, dia 27 de maio, às 21h, aqui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019