Alimentos ultraprocessados favorecem o envelhecimento biológico
04/09/2020 14:54:24
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Alimentos ultraprocessados favorecem o envelhecimento biológico

Segundo um estudo avançado pela Prof. Doutora Lucía Alonso-Pedrero e pelos pesquisadores sob direção da Prof. Doutora Amelia Marti, da Universidade de Navarra, Espanha, os alimentos industrializados ultraprocessados, apesar de serem práticos, favorecem o envelhecimento biológico quando consumidos com frequência.

O estudo, que mediu o comprimento dos componentes genéticos telómeros em 886 espanhóis com mais de 55 anos, indica que uma dieta pobre em nutrientes e vitaminas pode fazer com que as células envelheçam de forma mais rápida. Isto acontece, uma vez que o comprimento das células diminui.

Os telómeros são estruturas protetoras que preservam a estabilidade e integridade do nosso património genético. Quando envelhecemos, estas microestruturas tornam-se mais curtas, porque, cada vez que uma célula se divide, ela perde uma pequena porção do telómero. Este fenómeno repete-se, dando lugar ao envelhecimento biológico das células, que deixam, então, de se dividir e funcionar normalmente.

A amostra escolhida foi dividida em quatro grupos, desde os grandes consumidores de alimentos ultraprocessados – três ou mais por dia – até aos mais moderados – menos de dois – e cedeu amostras de saliva para serem analisadas geneticamente.

Após análise, a ciência estabeleceu uma relação entre os alimentos ultraprocessados, a maioria muito gordurosos, doces ou salgados, com doenças como obesidade, hipertensão, diabetes e alguns tipos de cancro.

Os grandes consumidores deste tipo de alimentos praticamente duplicaram o risco de ter telómeros curtos em comparação com os que consumiam menos, segundo o estudo.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019