Dia Mundial do Pulmão: a importância de assinalar esta data
25/09/2020 15:31:46
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Dia Mundial do Pulmão: a importância de assinalar esta data

As doenças respiratórias são uma das causas mais importantes de morbilidade e mortalidade. Em 2017, o Forum of International Respiratory Societies e a Organização Nacional de Saúde instituíram o Dia Mundial do Pulmão, assinalado hoje, a 25 de setembro, de forma a sensibilizar os cidadãos para esta problemática. A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) associou-se a esta iniciativa.

A pneumonia mata milhões de pessoas todos os anos, sendo a principal causa de morte em crianças e idosos e 80% das mortes ocorrem em crianças menores de dois anos e adultos acima dos 65 anos; a cada minuto, duas crianças morrem de pneumonia; 65 milhões de pessoas sofrem de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC), que mata, anualmente, três milhões de pessoas, representando a terceira causa de morte a nível global; a tuberculose afeta 10 milhões de pessoas e causa a morte de 1,6 milhões todos os anos; 1,76 milhões de pessoas morrem, por ano, de cancro do pulmão, o tipo de tumor mais mortífero; 334 milhões de pessoas sofrem de asma, a doença crónica mais comum em idade pediátrica, afetando 14% das crianças, a nível global.

Atualmente, estima-se que 91% da população mundial habite em zonas cuja qualidade do ar está abaixo dos limites recomendados pelas autoridades ambientais e de saúde. Esta situação bem como outros fatores de risco como o tabagismo e a poluição ambiental leva ao aumento da incidência de doenças respiratórias.

O Prof. Doutor António Morais, presidente da SPP, sublinha que “as doenças respiratórias são dos principais fatores de morbilidade e mortalidade em todo o mundo e também em Portugal. A formação dos profissionais de saúde, o seu reconhecimento e a divulgação e sensibilização para a prevenção dos principais fatores de risco por parte da população são objetivos primordiais por parte da nossa sociedade”.

Perante o contexto atual, este Dia Mundial do Pulmão visa destacar duas preocupações: a pandemia de COVID-19 e o aumento da incidência de tuberculose.

A COVID-19 até à data afetou mais de 30 milhões de pessoas e morreram cerca de 1 milhão de pessoas. “Temos de manter um combate firme e rigoroso a esta pandemia que nos assola, que envolve a prevenção com medidas de restrição à transmissão do vírus e um maior conhecimento do mesmo, de forma a conseguir estratégias terapêuticas mais eficazes. No entanto, ao mesmo tempo, é absolutamente necessário que a organização dos serviços de saúde mantenha a capacidade de assistência aos doentes crónicos e a acessibilidade em tempo útil aos novos diagnósticos, sob pena de termos consequências dramáticas naqueles que fora do contexto da COVID-19 necessitem de ser assistidos”, conclui o Prof. Doutor António Morais.

Já a tuberculose é uma doença considerada pela Organização Mundial da Saúde como uma emergência de saúde pública, mas que nenhum país conseguiu ainda erradicar.

Com o aumento da incidência, a tuberculose continua a ser uma doença com elevada mortalidade e morbilidade, particularmente nos países em desenvolvimento. No entanto, nem mesmo nos países desenvolvidos se pode baixar a guarda no combate a esta doença. Esta patologia é a principal causa de morte relacionada à resistência antimicrobiana e de morte em pessoas com VIH. O diagnóstico é fácil e existe um tratamento eficaz, embora prolongado e com alguns efeitos secundários. É cada vez mais importante apostar no combate à tuberculose, de forma a conseguir diminuir a incidência e caminhar para uma erradicação da doença a médio-longo prazo.

Tanto no caso da COVID-19 como da tuberculose, a prevenção, a deteção, o diagnóstico precoce e o acesso ao tratamento são essenciais para um controlo eficaz.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019