As implicações da crise na saúde mental no centro do III Encontro das Secções SPPSM
09/11/2020 14:43:08
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
As implicações da crise na saúde mental no centro do III Encontro das Secções SPPSM

O III Encontro das Secções da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM) está prestes a começar. Com data marcada para o dia 19 de novembro, o evento pretende “atualizar os conhecimentos nas várias áreas em que as secções estão agrupadas e também atualizar os conhecimentos em áreas gerais da psiquiatria”, como o afirma a vice-presidente da SPPSM, a Prof.ª Doutora Maria Luisa Figueira, em entrevista à News Farma. Leia a entrevista completa para saber quais os temas que irão ser abordados, bem como qual o impacto que um encontro como este tem tanto na comunidade científica, como na sociedade.

 

News Farma (NF) | Tendo em conta o atual período pandémico que atravessamos, em que moldes se vai realizar esta edição da reunião?

Prof.ª Doutora Maria Luisa Figueira (MLF) | Inevitavelmente tem de ser virtual, porque não temos condições para reunir o grande número de pessoas que normalmente estão presentes nas nossas reuniões.

 

NF | Qual a importância da realização desta iniciativa para a comunidade científica?

MLF | Esta iniciativa é organizada todos os anos pela Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM) e é aquilo a que chamamos “O Encontro das Secções”, isto é: a sociedade tem várias secções, cada uma delas com a sua autonomia científica e temos um momento anual em que estas se reúnem e apresentam aspetos de atualização científica.

Também convidamos pessoas para fazerem seções plenárias, que não estão inscritas nas secções, e que falam de aspetos importantes da realidade atual da clínica psiquiátrica.

Portanto, este evento no fundo visa atualizar os conhecimentos nas várias áreas em que as secções estão agrupadas e também atualizar os conhecimentos em áreas gerais da Psiquiatria, que neste momento os psiquiatras não têm a possibilidade de aceder a toda a informação.

 

NF | A quem se destina?

MLF | Destina-se, basicamente, aos sócios da sociedade, em primeiro lugar, mas também a todos os técnicos de saúde mental, sejam médicos, psiquiatras, enfermeiros, assistentes sociais, técnicos de reabilitação. Portanto, todos os técnicos que lidam com doentes da área da Saúde Mental estarão interessados em assistir a este encontro.

 

NF | Em relação ao programa científico, que temas gostaria de destacar e porquê?

MLF | O programa científico está organizado em torno do problema da crise. No fundo esta questão da crise que estamos a viver, que é uma crise de saúde pública, mas não é só, é também uma crise económica e pessoal. E, portanto, o programa focar-se-á nas implicações da crise na saúde mental e no adoecer psiquiátrico.

E, portanto, cada secção vai apresentar dentro do seu domínio as questões relacionadas com a crise, por exemplo, há um simpósio sobre a “Sexualidade nos Períodos de Crise”, onde a crise aqui pode ser uma crise de género, uma crise de envelhecimento, ou até uma crise de meia idade. A crise não tem de ser apenas a crise da COVID-19.

Também destaco o simpósio da secção da Psiconcologia sobre a questão da “Crise do Impacto da Pandemia no Doente Oncológico”. Portanto, toda a área da integração clínica da oncologia num período de crise será abordada neste simpósio.

Todos os simpósios são, quanto a mim, interessantes. Por exemplo, o simpósio do “Primeiro Episódio Psicótico”, vai focar-se na questão de como é que numa situação pandémica, ou pós-pandémica, pode ser a fase inicial de uma crise psicótica, abordando como é que se deve intervir e também quais os resultados dos estudos que já foram feitos pelos colegas desta secção sobre o impacto da crise da COVID-19 nestas pessoas.

Depois vai haver um simpósio interessante que é sobre as seções, onde os colegas vão apresentar uma secção de psiquiatria geriátrica, uma seção de arte e psiquiatria, outra da saúde mental da mulher - que é também um tema bastante importante na psiquiátrica, porque não tínhamos uma seção dedicada a isso - uma  outra sobre a Psiquiatria da adição, e finalmente uma seção sobre estética e Psiquiatria.

Portanto, vamos ter um programa que ao mesmo tempo é clínico e que tem aspetos científicos atuais. Além disso, farão parte palestrantes tanto nacionais, como internacionais.

 

NF | Para si, qual é o impacto tem um evento como este, que aborda a Psiquiatria, tem na sociedade hoje em dia?

MLF | Tem um efeito indireto, na medida que tem sim um efeito sobre os profissionais, que podem refletir sobre a sua prática clínica, o que acaba por ter um impacto na melhoria da saúde mental da população.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019