DGS lança manual sobre alimentação saudável nos Cuidados de Saúde Primários
05/01/2021 16:35:04
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
DGS lança manual sobre alimentação saudável nos Cuidados de Saúde Primários

Os profissionais de saúde dos Cuidados de Saúde Primários dispõem agora de um manual da Direção-Geral da Saúde (DGS), que visa reforçar a promoção da alimentação saudável na sua prática clínica, melhorar a qualidade da intervenção e uniformizar procedimentos.

 

Desenvolvido pelo Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS) da DGS, o documento pretende ser “um guia de referência para os profissionais de saúde dos Cuidados de Saúde Primários (CSP) para a integração do aconselhamento breve para a alimentação saudável nas rotinas da sua prática clínica”, refere o manual.

O guia contempla diversas ferramentas que possibilitam uma abordagem inicial, breve, que em média não deve exceder os 10 minutos, e assentam nos modelos de intervenção motivacional, reconhecendo as dificuldades inerentes à mudança do comportamento alimentar. O modelo destina-se a todos os utentes maiores de 18 anos, em contexto de consulta não urgente, sempre que haja oportunidade de o realizar durante o tempo de consulta.

Segundo a entidade, o “Aconselhamento breve para a alimentação saudável” poderá também aplicar-se aos utentes com fatores de risco metabólicos ou doença crónica, nomeadamente com pré-obesidade/obesidade, pré-diabetes/diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial, dislipidemia e doença cardiovascular.

“Este modelo pode ser implementado no formato de teleconsulta, com relevo para o atual contexto da pandemia COVID-19”, podendo contemplar sessões de acompanhamento/monitorização dos utentes para reforço da informação relativa a comportamentos alimentares saudáveis e para outros comportamentos associados ao estilo de vida.

O objetivo do manual passa por “tornar universal a promoção da alimentação saudável, melhorar a qualidade da intervenção dos diferentes profissionais e uniformizar procedimentos”, no sentido de conferir “uma maior qualidade às abordagens nas áreas da promoção da alimentação saudável, da prevenção e do controlo das doenças crónicas”.

Além disso, adianta a DGS, “a padronização de protocolos confere uma maior eficiência ao funcionamento dos serviços, garantindo uma base de intervenção comum facilitadora da monitorização e avaliação”.

A aplicação generalizada deste modelo nos CSP e “a identificação precoce de indivíduos que necessitem da intervenção diferenciada aumenta ainda as oportunidades de referenciação para os Cuidados Personalizados de Nutrição e uma melhor articulação entre os nutricionistas e demais profissionais de saúde”.

A carga da doença associada às doenças crónicas (diabetes mellitus, obesidade, doenças cardiovasculares, dislipidemia...) é elevada na população portuguesa e os hábitos alimentares inadequados estão entre os cinco fatores de risco que mais contribuem para a perda de anos de vida saudável e para a mortalidade.

Assim, finaliza, “uma intervenção precoce pode contribuir para a diminuição da progressão para doença (ex: pré-diabetes e pré-obesidade), para o melhor controlo após a sua instalação, para o menor risco de complicações associadas e, consequentemente, para a menor utilização de serviços de saúde especializados no futuro (ex: cuidados hospitalares)”.

Fonte: Lusa


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019